terça-feira, 2 de dezembro de 2008

Lavandaria emocional

Comprei um "corador", onde posso estender o meu coração para "corar". Coro-o para ver se lhe consigo restituir a sua verdadeira cor: vermelho encarnado ou encarnado vermelho, já não me lembro bem. É importante sentir que posso desencardir a alma, desamarecê-la. Ao poucos, lavo o coração bem lavadinho, com sabão azul e branco, para que fique tão alvo que o possa tornar num coração domingueiro, num coração de levar à missa.
Aproveitar esta nesga de sol que me queima a pele, para pôr o coração a corar. Expô-lo á luz. Passá-lo por água, tirar todo o sabão, torcê-lo. Estendê-lo. Sem medos. Mais não seja para que core de vergonha. Que me importa? Ao menos que volte à sua vermelhidão encarnada. Vice versa, talvez.

2 comentários:

A. disse...

Cuidado com a Blanka Vanish Power... É só juntar uma colher!

mfc disse...

Precisamos corar, precisamos de emoções.